Notícias 

liz phair, a rebelde dos anos 90 está de volta e em grande estilo

A voz feminina e rebelde do indie rock dos anos 90 está de volta depois de um longo hiato, Liz Phair, a cantora e compositora que se destacou com seu status na cena musical como uma perturbadora e alguém que confundia as expectativas dos outros está de voltou e em grande estilo.

“Passei de um período de sucesso em minha rebeldia para quase imitar aquilo contra o qual estava me rebelando.”

 Em 1993, Liz Phair, de 26 anos, estava saboreando seu reinado como rainha do rock indie. Seu álbum Exile in Guyville ganhou elogios por suas melodias e a colocou na capa da Rolling Stone . Em sua fase de estrela rock, ela não tinha medo de nada e de ninguém, muitos menos das vozes masculinas da música de Chicago, e trazia em suas músicas desafios pretensiosos à todos os seus ex-namorados de uma só vez com letras francas como: “Você vai me dar uma surra, mesmo que isso te mate”, na música “Fuck or Die”.

Mas seu período de rebeldia lhe custou o sossego, e dois anos depois, nasceu uma nova mulher, uma Phair de 28 anos que se viu em um lugar muito diferente, acomodada em uma nova casa no elegante bairro de Lincoln Park em Chicago, preparando o jantar para seu marido e se preparando para ter seu primeiro filho. Phair se adaptou ao tipo de vida doméstica contra o qual ela se rebelava até então.

 “Eu estava feliz no dia-a-dia, muito feliz. Eu estava apaixonada, ia ser mãe, podia comprar uma casa ” … “E, ao mesmo tempo, havia esse sentimento de perda … Eu estava ciente de que nem todo mundo consegue uma corrida precoce em sua carreira como eu, e [eu tinha] aquele sentimento, aquele sentimento de uma mulher que trabalha. Tipo, ‘Eu desisto? Eu continuo fazendo isso enquanto tento fazer todas essas outras coisas? ‘”

E assim, mesmo estando em sua nova vida, longe dos estúdios e vivendo para a família, Liz não deixou nas décadas seguintes, de fazer música, e o que dá para sentir é que ela não pretende parar tão cedo.

Agora após esse hiato, Liz vem com seu novo álbum Soberish, lançado em 4 de junho pela Chrysalis Records. Nele Liz parece fazer um resumo de toda sua carreira, extraindo o rock indie pioneiro de Exile em Guyville, de seu sucessor Whip-Smart aqueles momentos de reflexão, o bom pop-rock do Whitechocolatespaceegg, e a experimentação sonora de seu último álbum Funstyle . Phair diz que qualquer semelhança com seu catálogo anterior não foi intencional, mas também não foi indesejada.

“É legal que isso simplesmente escapou do meu inconsciente”, diz ela, “Eu gosto que haja algum DNA de obras mais antigas”.

Suas letras são uma continuação das reflexões de Phair sobre as provações e tribulações dos relacionamentos românticos. “É um álbum para estados intermediários”, explica Phair, “onde um relacionamento de longo prazo chega a uma lenta e dolorosa parada na primeira metade, e como é difícil se separar de alguém que o conhece há muito da sua vida. E então a segunda metade do álbum é namorar novas pessoas e ter aquela exuberância selvagem que vem de novas possibilidades”

 “Eu realmente não posso olhar para trás e dizer que sabia o que estava fazendo em qualquer momento da minha vida”, diz ela. “Mas tudo que eu sempre fiz foi continuar tentando”

Para essa volta aos palcos, a primeira ideia era no ano passado lançar Soberish, seu novo álbum em 10 anos, e embarcar em uma turnê de verão com Alanis Morissette e Garbage, porém a pandemia suspendeu esses planos, o que não fez com que Phair desanimasse, e ficasse na retaguarda, ela usou muito bem desse tempo para atualizar o seu novo registro.

 Algumas das novas canções datam de um período em que Phair estava colaborando com seu então produtor Ryan Adams, para um álbum que nunca saiu do papel, e agora, para Soberish, Phair renovou seu relacionamento com o produtor Brad Wood, que havia dirigido Exile in Guyville e Whip-Smart .

“Temos uma abreviatura de anos de trabalho juntos. Mas também divergimos e tivemos muitas experiências separadas que ouço em Soberish , ouço meu design de som de todas as trilhas de TV que fiz e ouço sua fluidez de mixagem . Ele pode simplesmente pegar qualquer coisa maluca que eu jogar nele e transformá-la em uma instrumentação linda. “

 

Gostou? Curta, compartilhe…

O Rock não tem regras, tem atitude…

Por Lis Hirt

hipnozerock@ehbwebrock.com.br

@hipnozerock